Agenda

Outubro 2017



INSCRIÇÕES EM EVENTOS

56º Congresso Internacional de Americanistas
O 56º Congresso Internacional de Americanistas (ICA) acontece na Universidade de Salamanca de 15 a 20 de julho de 2018. Sob o lema “Universalidade e particularismo nas Américas”, esta edição do ICA chama à reflexão sobre a dialética entre a universidade e os particularismos na produção do conhecimento, um diálogo no qual a necessidade de conhecer os particularismos dos fenômenos sociais, políticos, artísticos e culturais obriga a formular novas hipóteses que enriquecem e reformulam as grandes teorias gerais das ciências e humanidades. 
Com um caráter interdisciplinar e inclusivo, o ICA reúne pesquisadores que estudam o continente americano, desde o Alaska até a Terra do Fogo, incluindo o território do Caribe, a partir da análise de sua política, economia, cultura, línguas, história e pré-história. O lema do congresso menciona explicitamente o território do Caribe, ao considerar que frequentemente não lhe foi dada a atenção que merece. Desse modo, o Comitê Organizador convida-lhes a apresentar suas propostas e participar na análise e na reflexão sobre as especificidades das Américas e do Caribe com o objetivo de enriquecer as grandes teorias gerais.
Inscrições para apresentação de trabalhos até 20/10/2017.
Mais informações na página do 56º Congresso Internacional de Americanistas.

I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade
Período: 13 a 16 de março de 2018
Local: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife.
Inscrições: até 20 de novembro de 2017
A primeira edição do evento será uma homenagem à escritora Luzilá Gonçalves, que foi responsável pelo florescimento dos estudos da crítica literária feminista na instituição. Tendo como tema Imagens da Mulher no Ocidente, o evento se propõe a reinserir a instituição no circuito de pesquisas sobre literatura e gênero.
O evento tem por objetivo analisar como as identidades femininas foram construídas ao longo da história ocidental.O foco é discutir como tais construções afetaram a maneira como a mulher escrevia sobre si sob o peso do patriarcado, como escritoras romperam tais barreiras e apresentaram novas formas de se dizer mulher, como as lésbicas se inserem neste espaço, além das negras e indígenas.
Eixos Temáticos: Crítica Literária Feminina - Literatura Brasileira de autoria feminina -
Literaturas Estrangeiras de autoria feminina - Representações da mulher na literatura
Mais informações na página do I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade e através do e-mail mulherliteraturaesociedade@gmail.com.




CHAMADAS PARA PUBLICAÇÃO

Revista Magma
Vivemos um momento em que a discussão da diversidade e, mais especificamente, da representatividade tem se tornado cada vez mais urgente também nas políticas e pesquisas acadêmicas.
A nova comissão da Revista Magma, publicação criada e editada por estudantes de pós-graduação de Teoria Literária e Literatura Comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH/USP), foi formada na ocasião da aprovação do sistema de cotas sociais e étnico-raciais para ingresso na USP. Neste ano, tivemos outras conquistas de minorias, como a primeira comunicação em LIBRAS do congresso da Associação Brasileira de Literatura Comparada (ABRALIC), que incluiu também uma mesa com escritores negros e indígena na programação principal.
Dialogando com esse cenário, a Magma convida pesquisadores de todos os programas de estudos literários de pós-graduação para o envio de artigos, traduções e criações literárias que dialoguem com o tema da representatividade.
No dicionário, representatividade é a qualidade de uma amostra constituída de modo a corresponder à população no seio da qual ela é escolhida. Nessa edição da Magma, o foco central será representatividade das minorias políticas na literatura.
Os textos devem ser enviados até o dia 20 de outubro para o e-mail magma@usp.br, seguindo as normas de publicação da revista: revistas.usp.br/magma


Revista Afluente
Chamada para publicação: v.2, n.6
Seção Temática: Literatura e Filosofia
Se a filosofia se caracteriza, sobretudo, por representar o saber e a razão – faculdades supostamente superiores à inspiração e à emoção (bastando lembrar o banimento do poeta n’A República de Platão) –, é forçoso constatar que a fragilidade dessa divisão se agrava no fim do século XVIII, quando a relação entre filosofia e literatura ganha um impulso de novas formas de escritura que desafiam a filosofia tradicional. A revalorização epistemológica da literatura, obervada a partir da época das Luzes, acompanha a crise da filosofia racionalista e a virada subjetivista kantiana: a contingência do conhecimento humano abre vias para um pensamento filosófico literário, que se torna, por sua vez, o reflexo da incerteza epistemológica da modernidade. A hegemonia da filosofia é colocada em questão e as fronteiras entre filosofia e literatura adquirem contornos incertos. O que passa a caracterizar, assim, as relações entre filosofia e literatura? Existe uma literariedade da filosofia? Como abordar o conteúdo filosófico da literatura? A literatura pode abordar questões epistemológicas, estéticas, metafísicas ou éticas? Tais questões são discutidas por um número considerável de filósofos, escritores e críticos.
Esta chamada visa, portanto, elucidar a relação ambivalente entre filosofia e literatura. Para tanto, vários eixos de reflexão serão considerados:
– A filosofia na literatura;
– A literatura na filosofia;
– As formas literárias da filosofia;
– A literatura e a ética;
– A textualidade da filosofia.
Organizadores: Prof.ª M.ª Vanessa de Oliveira Temporal (UFSCar/Lyon III), Prof. Dr. Franco Baptista Sandanello (UFMA).
Seção livre: artigos, resenhas e entrevistas relacionados aos Estudos Linguísticos e Literários. Prazo para envio: 20 de outubro de 2017.
Mais informações: 


Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas
Número 28 (jul./dez. 2017)
Dossiê: Discursos e práticas da crítica cultural contemporânea
No contexto de disseminação textual via internet, que transformou e parece ter relegado a um segundo plano o suporte impresso, e que, da mesma forma, modificou, em algumas artes, a relação do público com o seu objeto, o dossiê pretende discutir os espaços, agenciamentos, formas de discurso e dilemas da crítica cultural na contemporaneidade, nas suas diversas áreas de atuação (literatura, música, teatro, cinema, artes visuais). Assim, algumas perguntas norteiam a proposta: quais e como são os espaços de publicação do texto crítico contemporâneo? O que permaneceu e o que se transformou em termos de sua circulação e importância, desde a última década do século XX?  Quem produz o texto crítico hoje? Para quais públicos? Quais os papeis e as posições da crítica face a manifestações estéticas e culturais que confrontam ordenamentos e esquemas interpretativos estáveis? Como se dá a produção, a circulação e a leitura do texto crítico, em meio aos trânsitos internacionais e ao crescente mercado midiático da cultura? Estas são algumas das indagações que desafiam os sentidos da crítica, seus modos de conhecer e avaliar os fenômenos culturais contemporâneos, em torno das quais o presente número de Veredas convida ao debate. 
O prazo final para o envio de artigos para este dossiê é 30 de outubro de 2017.

Submissões através do site da revista: http://revistaveredas.org/index.php/ver/about

Revista Textura
A LITERATURA INFANTO-JUVENIL DIGITAL: APPS, LEITORES E EDUCAÇÃO LITERÁRIA (PRAZO: 31/10/2017)
As transformações fundamentais que a literatura digital está gerando, tanto na produção para crianças e jovens quanto em suas experiências leitoras, colocam novos desafios para a didática da literatura. Os educadores necessitam conhecer a fundo essa realidade para poderem integrá-la às aulas e responder à mudança social e cultural que a acompanha. A revista acadêmica TEXTURA propõe a publicação de um dossiê sobre o tema para contribuir com esse campo, trazendo elementos para a reflexão e o debate. Por conseguinte, convida investigadores de qualquer instituição internacional a enviar artigos que contemplem alguma das seguintes questões:
1. A literatura infanto-juvenil digital: teoria e prática
2. Os aplicativos (apps) literários infanto-juvenis: características distintivas, novidades que propõem e potencial para a educação literária (com possibilidade de focalizar tradições culturais ou países específicos)
3. A literatura infanto-juvenil digital: mudanças, desafios e continuidade.
4. A literatura infanto-juvenil digital na escola: experiências com crianças e jovens. Os artigos devem conter entre 30.000 e 50.000 caracteres ao todo, incluindo todos os elementos necessários (resumo, abstract, referências, notas). Devem vir acompanhados de título, resumo (entre 550 e 750 caracteres, incluindo os espaços) e palavras-chave (no máximo 5), com tradução em inglês.
Os artigos deverão ser postados na plataforma da revista TEXTURA (http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra) para que sejam submetidos à avaliação editorial e externa. A data limite para entrega dos artigos é 31 de Outubro de 2017. O resultado da avaliação será notificado nos meses seguintes.
http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/txra

Revista Entrelaces
Dossiê “(Des)Dobras Barrocas: Conexões Transatlânticas entre Artes e Culturas” Jan.-Jun (2018).
A Entrelaces convida a comunidade acadêmica a participar da Chamada de Publicação para a Edição Jan-Jun (2018), que aceitará submissões de artigos que contemplem a temática (Des)Dobras Barrocas: Conexões Transatlânticas entre Artes e Culturas.

Período de submissão:  até 31 de outubro de 2017.
Mais informações: http://periodicos.ufc.br/entrelaces/user/register

Nau Literária
Literatura: a Emergência do Político
“Tomar posição é situar-se pelo menos duas vezes, em pelo menos duas frentes que toda posição comporta, pois toda posição é, fatalmente, relativa”. É desse ponto de vista de que parte Georges Didi-Huberman para estudar a obra do poeta e dramaturgo Bertolt Brecht. Desse modo, a condição de exilado de Brecht ganha uma singular importância no que se re-fere à tomada de posição política, como se, estando no entre-lugar, Brecht pudesse medir distâncias, confrontar ideias, assumir posições dentro de seu projeto artístico e avaliar o transcurso da história na formação das mentalidades sociais. Assim, também o público é convidado a tomar posição diante dos antagonismos e contradições que perpassam a obra de Brecht, bem como o próprio mundo do pós-guerra, o que faz Jacques Rancière, por sua vez, entender a obra de Brecht como instauradora de uma distância entre o autor e seu público. Para Rancière, o teatro brechtiano assume a função pedagógica de orientar o ponto de vista do público, oferecendo-lhe uma perspectiva – uma posição –, orientando o seu olhar, o que, portanto, faz com que as posições do autor e do público sejam diametralmente opostas, infinitas, uma vez que um assume a condição de mestre, ao passo que o outro é o ignorante. Com isso, pensada como uma literatura política, as obras brechtianas põem-se contra a democracia e a emancipação que estão na base da experiência literária. Seja como for, do exemplo de Brecht se destaca a ambiguidade da arte engajadamente política: ao mesmo tempo em que toma posição para falar de seu lugar e contexto, criando imagens políticas que intervêm no debate político de onde autor, obra e público emergem, ela também transcende as fronteiras desse lugar, no sentido de preparar a cena de um porvir que é, no limite, a suposta realização de um mundo que está fora de qualquer contexto histórico, um mundo ainda à espera de acontecer. Logo, o discurso estético se vê presa de uma autofagia histórica – ela está fadada ao desaparecimento pela sua historicidade mais radical – e de uma autofagia estética – ela não é apenas arte, devendo, por isso, ser considerada como interventora no âmbito público. E é desse lugar intermediário, tensionado por essa e outras dicotomias, que a obra literária, como qualquer obra de arte, convida à tomada de posição do autor e dos seus diferentes leitores.
Organizadores: Antônio Barros de Brito Junior; Claudia Caimi
Prazo para envio: 31 de outubro de 2017    

Mais informações: http://seer.ufrgs.br/index.php/NauLiteraria/announcement

Boitatá
Número 24 - 2017/2
Tema: Oralidade e escrita no mundo contemporâneo
Estudos das relações entre oralidade e escrita no mundo contemporâneo, nas mídias digitais, e na história, especialmente do ponto de vista da circulação dos textos. Relatos de experiências de edição de contos, cantos, entrevistas e histórias de vida. Ensaios sobre questões relativas à autoria dos textos orais: autoria coletiva/autor legião, direitos do intérprete nas gravações e reproduções e relativas às técnicas de edição de textos orais: gravação sonora e em vídeo, transcrição, tradução, transcriação, edição. Organizadora: Dra. Sônia Queiroz (UFMG)
Prazo de envio: 30 de outubro de 2017
Mais informações: http://revistaboitata.portaldepoeticasorais.inf.br/chamada

Aletria
v. 28, n.1 (2018 ) - Dossiê: A questão dos gêneros literários na Modernidade
Estudo dos gêneros literários na Modernidade, em suas manifestações narrativas, poéticas e dramáticas. Tendo como objeto as reflexões teóricas sobre os gêneros literários e suas diversas mutações, apropriações, fronteiras e limites a partir da Modernidade, a chamada contempla artigos sobre:
– Formas narrativas híbridas;
– Manifestações poéticas modernas e contemporâneas;
– O romance e suas transformações;
– Configurações dramáticas.
Organização: Constantino Luz de Medeiros (UFMG) e Joana Muylaert de Araújo (UFU)
Prazo para envio: 16 de novembro de 2017.
Mais informações: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/index


Intersemiose
A Intersemiose – Revista Digital é publicada pelo NELI, Núcleo de Estudos de Literatura e Intersemiose, grupo de pesquisa registrado no CNPQ e vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco (http://www.ufpe.br/pgletras). A revista é voltada a professores, pesquisadores e estudantes, e constitui um espaço aberto para o estudo e reflexões das diversas áreas de conhecimento que dialoguem com a Literatura.
A chamada está aberta para a oitava edição da Intersemiose, que discutirá acerca da relação entre a Literatura e as histórias em quadrinhos. As Histórias em Quadrinhos são uma arte autônoma que agrega uma multiplicidade de aspectos em sua linguagem, estando em sintonia intrínseca ao nosso contexto artístico e cultural contemporâneo. As HQs dialogam constantemente com outras áreas do conhecimento humano, sendo assim, contribuindo para tornar essa linguagem uma importante fortuna na crítica. Uma das áreas que muito dialogam com os quadrinhos é a literatura. E não apenas quando alvorada diretamente às adaptações literárias para os quadrinhos, mas também através de questões como narrativa, linguagem, temas, intertexto, leitura, metalinguagem, tantos outros aspectos que nos ofertam um leque de diálogos enriquecedores. Dessa forma, os estudos em Intersemiose em muito se beneficiam com essa relação entre artes. De acordo com as ideias do Prof. Dr. Sebastien Joachim, a Intersemiose, através de suas relações entre meios, nos permite agregar e renovar as artes envolvidas, em um exercício estético-politico de suma importância para a Literatura.
O artigo deve ser enviado para o e-mail neliufpe@gmail.com com o seguinte assunto: “Artigo quadrinhos” e seguir as seguintes normas de publicação da revista: http://www.neliufpe.com.br/revista-intersemiose/normas-para-publicacao/. Os alunos da graduação que enviarem artigos para a publicação devem vir acompanhados de uma carta de recomendação do orientador.

Prazo de submissão: até 10 de novembro de 2017

Revista Porto das Letras
Revista Porto das Letras, Qualis B5 (2015), está com chamada aberta para publicação de artigos e resenhas. A Revista conta com três seções: 1 - Dossiê Temático; 2 - Seção Livre e 3 - Resenhas. Para esse número, estamos recebendo artigos com a temática Literatura, Outras Mídias e Artes, para o segundo número da Revista em 2017. Prazo de Submissão: Prorrogado até 30 de Novembro de 2017

Organizador: Prof. Dr. Rodrigo Poreli Moura Bueno - UFT 

Cadernos de Pós-Graduação em Letras (Mackenzie)
Dossiê temático: Interfaces: língua, literatura, artes e cultura.
Comissão organizadora: Maria Luiza Guarnieri Atik e João Cesário Leonel Ferreira.
Prazo para submissão: 12/12/2017.
*Os originais devem ser enviados sem identificação de autoria por meio da página dos Cadernos. Artigos enviados por e-mail não serão aceitos. 
Este número do Cadernos de Pós-Graduação em Letras pretende acolher trabalhos que proponham reflexões e análises, balizados por teorias da linguagem ou por estudos literários, de textos e discursos em suas diversas manifestações. Busca-se discutir, entre outras questões, os estudos discursivos e a linguagem em uso nas suas diferentes manifestações; o texto literário em diálogo com a cultura e manifestações artísticas; a literatura e sua interface com outras mídias (Cinema, TV, HQ, Internet etc.) e textos religiosos como literatura.
Ressaltamos que a publicação dos Cadernos destina-se aos alunos de pós-graduação e de pós-graduados que obtiveram seus títulos de mestre ou doutor no último ano. Os textos acadêmicos enviados são apreciados pelos pareceristas, pelos organizadores do referido número e pelo Conselho Editorial, a partir de critérios estabelecidos.
Mais informações: http://editorarevistas.mackenzie.br/index.php/cpgl/index

Texto Poético
Dossiê João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto Cabral se posicionou de modo ostensivo e negativo diante de uma tradição lírica fundada na subjetividade do poeta e criou uma das obras poéticas mais originais da língua portuguesa e que melhor e mais tensamente dialogam com essa tradição. Sempre o primeiro leitor dele mesmo, como todo grande criador, Cabral terminou estabelecendo o modo de a sua poesia ser lida. Esse modo de ler foi seguido por parte considerável da crítica e terminou por se transformar, pela força da repetição, em verdadeiros truísmos, os quais, se não são inexatos, não dão conta das tensões e contradições que estão na base da poesia do autor. A proposta deste dossiê é acolher trabalhos que proponham novas perspectivas de leitura para a poesia de Cabral, seja enfocando um aspecto específico dessa poesia, seja examinando-a em clave comparativa com outro/s poeta/s ou outras artes.
A Revista aceita também trabalhos sobre outros temas concernentes aos estudos de poesia para figurar na seção Vária.
Os artigos devem ser submetidos no próprio site da Texto Poético: http://revistatextopoetico.com.br/index.php/rtp
Prazo para envio: de 30 de setembro de 2017 a 30 de janeiro de 2018

Revista Alea
Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Vol. 20/2 (maio, junho, julho, agosto/2018)
Tema: O desencanto noir: percursos atuais da literatura neopolicial
Editores Convidados:
Emilio J. Gallardo-Saborido (Universidade de Sevilha)
Jesús Gómez-de-Tejada (Universidade de Sevilha)
Prazo de envio: de 16 de setembro de 2017 a 15 de janeiro de 2018.
A literatura neopolicial, que vem se desenvolvendo dos meados do século XX até os dias de hoje, revolve o lixo social, expondo as podridões nacionais, que competem em vergonhas e baixezas. A ordem lumpen (proletária e, sobretudo, oligárquica) se mostra como um obstáculo contínuo às forças da civilização ou, pelo menos, ao seu acomodamento. O desencanto do gênero noir é mais uma expressão dessas sombras de nosso presente. Neste volume, propomos examinar diversas geografias literárias para comprovar como o neopolicial se converteu num espaço diegético implacável nas letras das últimas décadas. Por isso, são bem-vindos trabalhos de perfil teórico, análises literárias de textos e autores concretos, estudos comparativos, estudos transmidiáticos etc. Genericamente, admitem-se aproximações diversas ao redor da narrativa neopolicial (romance, conto, novela gráfica, séries televisivas, cinema, teatro).

EM TESE
A TEORIA LITERÁRIA EM BALANÇO: REPENSANDO AS TENDÊNCIAS DOS SÉCULOS XX E XXI
Nos anos de 1910, um grupo heterogêneo de estudiosos russos encarou a Literatura como um objeto singular de pesquisa. Esses pensadores ficaram conhecidos pelo título genérico de Formalismo Russo. Ao longo dos novecentos, diversas tendências se posicionaram, como Estilística, New Criticism, Filologia, Estruturalismo, Estética da Recepção, Pós-Estruturalismo, Estudos Culturais, Crítica Liberal, entre outras, evidenciando a importância do raciocínio teórico e crítico para os Estudos Literários. Nos anos 2010, completando o primeiro centenário do movimento que se propôs refletir sobre a singularidade da literatura, compete-nos reavaliar cada um desses pensamentos novecentistas, muitos dos quais estão em discussão ainda hoje, apontar linhas de força dos movimentos, os modos de entrelaçamento ou confronto entre o discurso crítico e teórico, ou mesmo algumas questões mais específicas ligadas a pensadores que contribuíram para as marchas e contramarchas da Teoria Literária. Nesta edição, a revista Em Tese procura fomentar o debate sobre as tendências novecentistas de Teoria da Literatura, incluindo ponderações estéticas – de outras artes ou literárias – que dialogaram com os movimentos, e contemplando reflexões sobre o que eles foram ou sobre o que continua ressoando deles, no contemporâneo. Nosso convite é para que se pensem, ainda, com a distância que nos cabe, os usos e os desdobramentos das correntes teóricas e críticas surgidas no século XX, abarcando considerações sobre o modo como hoje a crítica e a teoria, ainda que com contornos outros e com diferentes modos de se envolverem, relacionam-se com a produção artística contemporânea.
Prazo para submissão: de 2 de agosto a 2 de novembro de 2017.
Mais informações: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/index

Revista Itinerários
CHAMADA PARA O NÚMERO 46 - 2018
Dossiê temático: O GÓTICO E AS MULHERES
O gótico, gênero e modo ficcional do medo e do assustador que nasce como crítica à modernidade fundada pelo Iluminismo, sempre esteve atrelado às mulheres. Graças às obras de autoras como Clara Reeve, Ann Radcliffe, Jane Austen, Mary Shelley e as irmãs Brontë, o gótico sedimentou convenções temático-estruturais que ainda hoje o distinguem, popularizando-se no imaginário ocidental sob as mais diversas formas de linguagem. Em virtude de seu caráter contestador e transgressor, autoras fundamentais da literatura e ficção contemporâneas, como Emily Dickinson, Kate Chopin, Virginia Woolf, Angela Carter, Clarice Lispector e Alice Munro, por ele transitaram e a ele conferiram novos contornos ainda mais assustadores. Este dossiê temático da Revista Itinerários pretende acolher trabalhos que reflitam sobre as diversas relações entre o gótico e as mulheres, em quaisquer nacionalidades e períodos da história da literatura, da ficção e/ou das artes; sob quaisquer vieses teórico-críticos e com os mais variados enfoques (por exemplo, mas jamais se restringindo a apenas estes, o gótico de autoria feminina, as personagens femininas na literatura e ficção góticas, a relação dos autores homens com o gótico e as mulheres, a relação das mulheres com o gótico enquanto teoria e crítica da literatura, da arte, da ficção e da cultura, etc.).
Prazo de submissão: 30 de novembro de 2017.
Mais informações:  http://seer.fclar.unesp.br/itinerarios/index

CHAMADA PARA O NÚMERO 47- 2018
Dossiê temático: LITERATURA NEGRA NO BRASIL
A Literatura Negra Brasileira, também denominada Literatura Afro-brasileira ou Afrodescendente, apesar do visível espaço que vem ganhando no discurso acadêmico, ainda encontra restrições na abordagem historiográfica brasileira que não vê as especificidades dos discursos de cidadãos negros, como sujeitos de sua própria história, no âmbito do sistema literário nacional. O escritor negro experimenta a vivência em um país que legitima paradigmas estéticos, por meio de mecanismos que promovem a exclusão e a discriminação racial. Revisando e problematizando o conceito unívoco de identidade nacional construído a partir de padrões de uma elite empenhada na manutenção de valores brancos, essa vertente literária, nascida fora da África, mas que incorpora elementos culturais de origem africana, encena uma subjetividade individual e coletiva (um eu-enunciador que é nós) como espaço de resistência e enfrentamento. Mais do que a cor da pele ou as origens étnicas do escritor, a literatura negra ressignifica o conceito de identidade, a partir da diferença, buscando imprimir as marcas identitárias do sujeito étnico negro-brasileiro numa sociedade orientada por valores brancos. Esse dossiê temático receberá artigos que reflitam, a partir de múltiplos aportes teóricos e críticos, sobre a literatura negra brasileira em narrativa, drama e poesia, tais como: tradição, memória individual/coletiva, ancestralidade, identidades, o legado da diáspora, literatura feminina negra, o negro como objeto e sujeito na literatura, hibridismo cultural e outros.
Prazo de submissão: 30 de novembro de 2017.
Mais informações:  http://seer.fclar.unesp.br/itinerarios/index

Terra Roxa e Outras Terras
A revista Terra Roxa e outras Terras está reunindo artigos que explorem o tema “Estudos sobre Poesia Portuguesa desde Fernando Pessoa” para o seu volume 36, sob a responsabilidade de Silvio Chesar dos Santos Alves (UEL) e Izabela Guimarães Guerra Leal (UFPA).
O prazo máximo de submissão é o dia 30 de março de 2018.
Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  ISSN: 1678-2054    QUALIS B1

O Eixo e a Roda
Dossiê "Diálogo epistolar na Literatura Brasileira"
O volume 27, nº 1 de O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, a ser publicado no segundo semestre de 2018, reunirá estudos que tratem dos usos das cartas como espaço de reflexão crítica e/ou teórica no âmbito da Literatura Brasileira. Serão aceitos artigos que apresentem, problematizem ou analisem o diálogo epistolar estabelecido entre nomes da vida literária do Brasil, ou que a ela se vinculem. Serão aceitos, também, textos que investiguem questões relacionadas à produção literária brasileira debatidas por meio da troca de correspondências. A revista acolherá, ainda, na seção Vária, artigos que analisem temas diversos da Literatura Brasileira e resenhas de livros de ficção, poesia ou crítica publicados nos últimos três anos. O prazo para o envio de colaborações é até 01 de março de 2018.

Dossiê: “Literatura brasileira e trabalho”
O volume 27, nº 2 de O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, a ser publicado no segundo semestre de 2018, será dedicado ao tema do trabalho na literatura brasileira. A revista receberá artigos dedicados à reflexão sobre obras que configuram ou problematizam as relações de trabalho historicamente constituídas ou que consideram o trabalho como atividade produtora da subjetividade e da linguagem. Poderão ser enviados artigos que tratem tanto da literatura brasileira, como do ensaísmo e ainda letras de canção. A revista acolherá, ainda, na seção Vária, artigos que analisem temas diversos da literatura brasileira e resenhas de livros de ficção, poesia ou crítica publicados nos últimos três anos. O prazo para o envio de colaborações é até 01 de abril de 2018.


FronteiraZ
Edição 20: IMAGINAÇÃO, MEMÓRIA, FANTASMAS NA LITERATURA E NAS ARTES
O sentido estético, ético e político de resistência em variadas formas literárias e artísticas de presentificação de resíduos incomunicáveis. Memória, esquecimento e o (não) lugar do irrepresentável. Testemunho e o inenarrável. A Imaterialidade e o fantasmático na literatura, nas artes e na história. Perspectivas diversas sobre o sentido que os espectros-fantasmas assumem na modernidade. Formas narrativas e poéticas contemporâneas em fluxo e passagem. Categorias evanescentes no jogo da alteridade: o sujeito lírico dentro e fora de si; o narrador, o autor, o leitor.
Prazo para envio de artigos para submissão: até 20 de fevereiro de 2018.

Edição 21: POÉTICA DA ALTERIDADE
A enunciação literária como escritura da alteridade. O outro como produtor, leitor/receptor e como objeto da/na literatura. Transformações da inscrição do outro no percurso da história literária. O fenômeno da dicotomia eu/outro na criação literária. O jogo da alteridade na voz narrativa. Alteridade, identidade e autoridade: relações possíveis no universo do literário. Eu e Tu, nunca Ele: o embate da Outredade. Ética e alteridade. Alteridade e desejo. Epifania como revelação do outro em mim. Alteridade e transcendência.
Prazo para envio de artigos para submissão: até  20 de maio de 2018.
 As seções de “Ensaios” e de “Resenhas” têm fluxo contínuo independentemente da temática em pauta para a seção de “Artigos”. Para mais detalhes, consultar as normas de edição em “Diretrizes para autores” no endereço: http://revistas.pucsp.br/fronteiraz

Palimpsesto
A revista, de iniciativa dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), é qualificada como nível B2 pelo QUALIS da CAPES e receberá textos inéditos para três edições, como segue:

O tema para o Dossiê da edição de 2018/1 (Linguística, Língua Portuguesa e Literaturas: número 26) será “Linguística e Literatura e(m) diálogo: intersecções”.
Para o número, serão aceitos trabalhos que façam uma interlocução entre os estudos linguísticos – compreendendo, também, os estudos de língua portuguesa – e os literários, de forma a estabelecer diálogo entre as áreas, tão comumente – e de maneira equivocada – vistas como “separadas” entre si. Da mesma maneira, são interessantes os trabalhos em que tais áreas dialoguem com outras ciências, como, por exemplo, a psicologia, a filosofia ou a história. Buscamos propostas que possam integrar os diferentes estudos, numa proposta de efetivo diálogo, de interseção. Submissões até 15/03/2018

O tema para o Dossiê da edição de 2018/2 (Literatura: número 27) será “Patrimônio cultural e memória literária”.
Poucas coisas são tão particularmente afetivas quanto as próprias memórias de um indivíduo, de um povo ou grupo. Da mesma maneira, o patrimônio cultural de cada pessoa, grupo social ou sociedade é um elemento distintivo e identitário. Patrimônio cultural, memória e literatura fazem parte, por assim dizer, de um bem imaterial imensurável.
Para o número 27, buscamos textos que estabeleçam uma interlocução entre os estudos literários e o patrimônio cultural e a memória que eles evocam ou representam. São interessantes propostas que valorizem as mais variadas manifestações culturais e memoriais, tomadas a partir do texto literário ou tendo o texto literário como suporte de divulgação. Submissões até: 31/05/2018
Mais informações: http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num24/normas/chamada.htm

CHAMADAS COM FLUXO CONTÍNUO
       
Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas
A revista aceita artigos inéditos, oriundos de pesquisas originais relacionadas especialmente à literatura. Também é aberta às mais diferentes abordagens teóricos-metodológicas. São recebidas resenhas críticas de livros de teoria, de crítica ou de literatura publicados nos últimos três anos, desde que relacionados ao escopo da revista.
Mais informações: 
http://ojs.lusitanistasail.org/index.php/Veredas/about/submissions#authorGuidelines

Garrafa
Chamada da Revista eletrônica Garrafa do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCL/UFRJ. A Revista é publicada online e dirigida a estudantes de pós-graduação em formação como pesquisadores. A Garrafa recebe contribuições inéditas em português e espanhol: artigos acadêmicos, ensaios, resenhas críticas de dissertações, teses e livros, traduções inéditas e/ou originais e entrevistas. As contribuições serão publicadas após a avaliação favorável feita por até dois leitores anônimos. Os artigos deverão ser enviados em versão .doc ou .docx para o seguinte endereço eletrônico:
Mais informações: revistagarrafa@gmail.com                               

​Revista Literatura e Sociedade
A revista está aberta a propostas de publicação de artigos e ensaios nas áreas de teoria literária e literatura comparada. As submissões devem ser enviadas para o email revflt@usp.br. ​ ​Normas e demais informações: 

Revista RUA
As contribuições são recebidas em fluxo contínuo e os trabalhos aprovados são publicados nas edições seguintes à avaliação final. A revista Rua se propõe a criar condições para um debate multi e interdisciplinar, sustentado pela reflexão sobre a linguagem, divulgando artigos acadêmicos e produções artísticas que busquem compreender o espaço urbano como objeto de estudo. É uma publicação que reúne obras que tratem de práticas da cidade a partir das dimensões do simbólico e do político em uma relação entre o saber urbano e a linguagem com o objetivo de refletir sobre o espaço urbano concebido como espaço de significação, propiciando um diálogo entre diferentes áreas do conhecimento. Lançada em 1995, publicou 13 números com periodicidade anual e, a partir de 2008, com sua migração para formato eletrônico, passou a ser uma publicação semestral. É dividida em 3 seções: Estudos, com artigos acadêmicos; Artes, com manifestações artísticas de diversas naturezas; Notícias e Resenhas, com as notícias das atividades desenvolvidas pelo Laboratório de Estudo Urbanos (Labeurb/Nudecri/Unicamp), responsável por sua editoração, e resenha de obras interessantes para as diversas áreas do conhecimento. Atualmente é avaliada no estrato B1 no Qualis/Capes.
Mais informações: http://www.labeurb.unicamp.br/rua
                 
Revista Policromias/MN/UFRJ
Chamada para o vol. 4. As publicações serão realizadas em sistema de fluxo contínuo e o volume publicado até Dezembro de 2017.
Mais informações: