Agenda

Agosto 2017


INSCRIÇÕES EM EVENTOS

EVENTOS


VIII Seminário Internacional e XVII Seminário Nacional 
Mulher e Literatura
Tema: Transgressões, descentramentos, subversão
Data: 17 a 20 de setembro de 2017
Local: UFBA – Campus de Ondina, Salvador
Mais informações: http://www.mulhereliteratura2017.ufba.br/

SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE PESQUISA EM LEITURA, LITERATURA E LINGUAGENS: NOVAS TOPOGRAFIAS TEXTUAIS
Período: 04 a 06 de outubro de 2017
Local: Auditório da Faculdade de Direito (prédio U1) – Campus I – UPF
Coordenação: Ernani Cesar de Freitas
Mais informações: http://www.upf.br/16jornada/seminario-internacional-de-leitura--literatura-e-linguagens

I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade
Período: 13 a 16 de março de 2018
Local: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife.
Inscrições: até 20 de novembro de 2017
A primeira edição do evento será uma homenagem à escritora Luzilá Gonçalves, que foi responsável pelo florescimento dos estudos da crítica literária feminista na instituição. Tendo como tema Imagens da Mulher no Ocidente, o evento se propõe a reinserir a instituição no circuito de pesquisas sobre literatura e gênero.
O evento tem por objetivo analisar como as identidades femininas foram construídas ao longo da história ocidental.O foco é discutir como tais construções afetaram a maneira como a mulher escrevia sobre si sob o peso do patriarcado, como escritoras romperam tais barreiras e apresentaram novas formas de se dizer mulher, como as lésbicas se inserem neste espaço, além das negras e indígenas.
Eixos Temáticos:
Crítica Literária Feminina
Literatura Brasileira de autoria feminina
Literaturas Estrangeiras de autoria feminina
Representações da mulher na literatura

Mais informações na página do I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade e através do e-mail mulherliteraturaesociedade@gmail.com.




CHAMADAS PARA PUBLICAÇÃO

ARTIGOS


Revista Crioula
A Revista Crioula, publicação eletrônica dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa da Universidade de São Paulo aceita, para o seu vigésimo número, colaborações de alunos matriculados nos Programas de Pós-Graduação stricto sensu, do Brasil e do exterior, com textos inéditos em meio eletrônico até 20 de agosto de 2017.

O tema do dossiê será "Diálogos de resistência: perspectivas feministas e literatura".
Os artigos enviados poderão compor o dossiê ou podem apresentar outros temas e compor a seção “Artigos & Ensaios. Serão aceitos também pequenos textos ficcionais em prosa e poemas.
Somente serão aceitos os trabalhos que contemplem uma perspectiva comparatista abordando, no mínimo, uma expressão cultural e/ou teórico-prática de língua portuguesa.
Mais informações: http://www.revistas.usp.br/crioula/about/submissions#authorGuidelines

Literatura em Debate
v. 12, n. 22, 2018/1: jan.-jul. 2018
Dossiê: Os limites da teoria literária: o discurso literário e suas interfaces
Organizadores: Profa. Dra. Denise Almeida Silva (URI), Prof. Dr. Wellington R. Fioruci (UTFPR)
Ementa: O advento dos estudos culturais, por volta dos anos 1960, demonstrou no campo dos estudos literários como se encontrava o estado da arte, algo sintomático daquilo que Jameson em seu ensaio “Sobre os estudos de cultura” (1994) já apontava como resultado da insatisfação das teorias das humanidades com os limites das suas disciplinas. De modo conexo, Marjorie Perloff, no capítulo de abertura de Differentials: Poetry, Poetics, Pedagogy (2004), reflete sobre os motivos da atual crise dos estudos literários a reboque de um pretenso colapso do campo humanístico na
contemporaneidade. Por outro viés, diante de tais problemáticas, o crítico e professor da Unicamp, Fábio A. Durão, em ensaio publicado recentemente na revista Sibila (2016), aborda a questão a partir de dentro, isto é, com vistas a entender a relação entre a produção crítico-literária desenvolvida na esfera acadêmica da universidade e a realidade para além de seus muros, e a certa altura conclui “[…] que leitura e a interpretação solitárias são patológicas.” O fato é que as teorias se deslocam, são migrantes por antonomásia, e entre movimentos centrípetos e centrífugos acabam por constituir cadeias complexas (e instigantes) de vasos comunicantes. Tendo em vista o exposto, o presente número se abre para contribuições que coloquem em discussão a pertinência das fronteiras visíveis e invisíveis que separam a teoria literária dos demais campos dos saberes. Desse modo, valoriza-se a reflexão sobre as muitas vezes porosas fronteiras entre a produção de ficção e teoria crítica, especialmente no âmbito de minorias; são bem-vindas, ainda,  reflexões sobre as profícuas e não menos conflituosas relações dos estudos literários com as demais linguagens com as quais estes se limitam, ao mesmo tempo em que se coloca em foco a autonomia e a compreensão do que seja a literatura como objeto estético quando vista sob o manto, até então sacralizado, da arte
Seções não temáticas:
Vária: tema aberto, área de literatura
Resenha: sobre obras no campo da literatura escritas em 2016 ou 2017
Prazo de envio: até 31 de agosto de 2017

Scripta Uniandrade
O Conselho Editorial da Scripta Uniandrade tem o prazer de convidá-los para participarem do volume 15, número 2 (2017) que pretende reunir estudos sobre a literatura fantástica em língua inglesa desde o século XIX até a contemporaneidade. Objetiva-se ampliar o debate sobre questões relacionadas à referida temática por meio da reflexão sobre obras representativas do gênero à luz de abordagens e perspectivas teóricas diversas.
A partir de 2017, a seção “Varia” receberá artigos teóricos e/ou estudos de caso sobre temas diversos e resenhas de obras recentes (últimos dois anos) de teoria literária ou crítica literária em fluxo contínuo.
v. 15, n. 3 (2017): Tema Livre
Prazo de envio: até 30 de setembro de 2017.
Revista Alea
Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Vol. 20/1 (janeiro, fevereiro, março, abril/2018
Tema: Como viver juntos
Editores Convidados:
Paloma Vidal (Universidade Federal de São Paulo)
Mario Cámara (Universidade de Buenos Aires)
Prazo de envio: até 15 de setembro de 2017

Alea se propõe como um percurso que indaga os modos como a literatura e a arte latino-americanas desenharam novas formas de vida. O campo de discussões nos quais se insere o volume tem como eixos os debates contemporâneos em torno de certas noções de comunidade, como as desenvolvidas por Maurice Blanchot, Jean-Luc Nancy, Giorgio Agamben, Roberto Esposito ou Judith Butler, e as reflexões provenientes das ciências políticas em torno da sociedade civil e do povo, tal como propõem Ernesto Laclau ou Jacques Rancière. O conjunto dessas contribuições problematiza o conceito de laço social a partir de diferentes perspectivas que consideramos produtivas para indagar os modos de vida na contemporaneidade, especialmente no momento atual, de profunda crise e acirrado debate.
Partindo dos eixos apresentados, privilegiam-se análises sobre obras entendidas como espaços que constroem figuras e relatos sobre “como viver juntos”. Entre os objetivos do dossiê estão a reflexão sobre os movimentos de inscrição e, alternativamente, de desinscrição, dessas figuras e relatos na esfera da cultura; a compreensão da politicidade desses movimentos, em cada momento histórico; e o entendimentos das diferentes inflexões estéticas que essas obras representaram no âmbito da literatura e da arte, inclusive como questionamento dos limites genéricos e territoriais que tradicionalmente as definem.
Vol. 20/2 (maio, junho, julho, agosto/2018)
Tema: O desencanto noir: percursos atuais da literatura neopolicial
Editores Convidados:
Emilio J. Gallardo-Saborido (Universidade de Sevilha)
Jesús Gómez-de-Tejada (Universidade de Sevilha)
Prazo de envio: de 16 de setembro de 2017 a 15 de janeiro de 2018.

A literatura neopolicial, que vem se desenvolvendo dos meados do século XX até os dias de hoje, revolve o lixo social, expondo as podridões nacionais, que competem em vergonhas e baixezas. A ordem lumpen (proletária e, sobretudo, oligárquica) se mostra como um obstáculo contínuo às forças da civilização ou, pelo menos, ao seu acomodamento. O desencanto do gênero noir é mais uma expressão dessas sombras de nosso presente. Neste volume, propomos examinar diversas geografias literárias para comprovar como o neopolicial se converteu num espaço diegético implacável nas letras das últimas décadas. Por isso, são bem-vindos trabalhos de perfil teórico, análises literárias de textos e autores concretos, estudos comparativos, estudos transmidiáticos etc. Genericamente, admitem-se aproximações diversas ao redor da narrativa neopolicial (romance, conto, novela gráfica, séries televisivas, cinema, teatro).

Revista Tríade - Programa de Pós-graduação em Comunicação e cultura da Universidade de Sorocaba
http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/triade/index
Dossiê: Diversidade cultural/sexual e de gênero
Atualmente, a diversidade cultural/sexual e de gênero entrou na agenda dos debates acadêmicos como produção de conhecimento. É uma resposta teórica, política e social contra a violência, a discriminação e o preconceito. Há uma expectativa de se pensar a respeito do sujeito contemporâneo a partir de sua (inter)subjetividade estratificada entre afeto, corpo e performance. Mais que isso, aspectos econômicos, identitários e/ou políticos (re)formulam o alargamento de fronteiras, para além do sistema hegemônico. Disso, emergem ações afirmativas e visibilidade das comunidades de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais, Transgêneros, Intersexs (LGBTTIs). Ao discutir experiências midiáticas (cinema, internet, jornal, publicidade, revista, TV, vídeo, entre outros) sobre expressões de alteridade, diferença e diversidade, incentivam-se múltiplas abordagens da homocultura, do homoerotismo, da homossexualidade, da dinâmica queers e das comunidades LGBTTIs e afins. Na expectativa de tangenciar estudos, ensaios, investigações e pesquisas científicos – no âmbito da comunicação e da cultura – comprometidos com políticas em favor da inclusão das minorias sexuais no Brasil e no mundo, este dossiê objetiva promover a elaboração e a difusão de formas de pensamento crítico, conceitual, metodológico e/ou teórico, que contemplem uma abertura flexível sobre as relações humanas.
O prazo para envio: 30 de setembro de 2017



Língua & Literatura
Edição: v. 20, n. 35, jan. 2018
Dossiê: Corporalidades, Híbridos e Sexualidades
O Dossiê pretende reunir artigos, ensaios e resenhas que se voltem para as problemáticas do corpo e de sua relações múltiplas e hifenizadas, segundo práticas de ordenação e/ou de resistência e profanação. Nessa perspectiva, serão aceitos escritos cuja discussão se dê, desde a literatura canônica até as práticas emergentes nos discursos virtuais, caracterizados por pontos de vista de interseção, em várias modalidades, a saber: o corpo e as tecnologias; as corporalidades e o (meio) ambiente; as homocorporalidades e as transcorporalidades; os discursos do corpo, da raça e da etnia; as corporalidades e os debates decolonias; o corpo, o desejo e a contemporaneidade; o corpo e a escritura. Pretende-se não apenas colocar em suspenso as categorias normativas (e metafísicas) que percorrem as escrituras do corpo (e do desejo), mas, ainda, traçar um panorama de pesquisas que invoquem perspectivas disjuntivas no tratamento teórico- analítico-afetivo das corporalidades.
Prazo de envio: até 31 de agosto de 2017

Revista Abusões
Chamada para n.5 (jul-dez/2017)
“Fantásticos, parafantásticos, metafantásticos, pseudofantásticos”
Na contemporaneidade, mesmo depois de Antón Risco, Christine Brook-Rose, David Roas, Filipe Furtado, Jean-Baptiste Baronian, Jean Bellemin-Noël, Irène Bessière, Jean-Paul Sartre, Louis Vax, Pierre-Georges Castex, Roger Bozzetto, Roger Callois, Remo Ceserani, Tzvetan Todorov, entre os europeus, e Ana María Barrenechea, Harry Belevan, Jaime Alazraki, Pampa Olga Arán, Renato Prada Oropeza, Rosalba Campra, Rosemary Jackson, Susana Reisz, Víctor Bravo, entre os americanos, é sumamente impossível delimitar, com rigor, a ficção entendida por “fantástica”. Nem mesmo o recurso à infinidade de artistas que, produzindo em diferentes media, exercitaram-se e exercitam-se como críticos, dedicando-se a problematizar essa vertente ficcional, tornaria amena a sempre frustrada tentativa de definir, com absoluta precisão, o “fantástico”. Haveria, contudo, no vasto e heterogêneo conjunto de produções ficcionais “fantásticas, parafantásticas, metafantásticas, pseudofantásticas”, um traço distintivo que lhe daria certa unidade: a impressão do insólito ficcional, a partir da composição de qualquer de suas categorias, isolada ou solidariamente entre si. Essa impressão se daria a partir do recurso a diferentes estratégias de construção narrativa – ranhuras, fissuras, fraturas e rupturas resultantes da instauração de incoerências ou incongruências face aos referentes extratextuais – que põem em xeque as expectativas da lógica racional e aristotélica.
Prazo para envio: até 13 de agosto de 2017.


Texto Poético
Dossiê ARQUIVOS LITERÁRIOS DE POETAS: MATERIAIS E LEITURAS
A oficina de trabalho de um escritor é sempre um espaço de diferentes materiais de escrita que se cruzam ou se ocultam nas obras que vêm a público. Nem sempre há um escritório, por vezes há somente uma arca, apenas folhas ou, contemporaneamente, apenas a memória do computador. Seja como for, os escritores que partem deixam muitas vezes trilhas importantes de seu trabalho espalhadas em espólios, em cartas, que se transformam em objeto de investigação, permitindo que possam ser também conhecidas outras facetas de produção. Propõe-se, portanto, neste dossiê, pensar determinadas materialidades da escrita que permitam novas perspectivas críticas, diferentes abordagens e inesperados diálogos por outras vias de acesso ao trabalho poético. Assim sendo, o interesse do dossiê reside em acolher estudos sobre arquivos literários de poetas, obras inéditas, correspondência, projetos estéticos e outras produções muitas vezes esquecidas em revistas, coletâneas ou publicações de circulação restrita que, até então em zona obscura, vêm à luz para possibilitar outras leituras.
A Revista aceita também trabalhos sobre outros temas concernentes aos estudos de poesia para figurar na seção Vária.
Os artigos devem ser submetidos no próprio site da Texto Poético: http://revistatextopoetico.com.br/index.php/rtp
Prazo para envio: de 20 de junho a 30 de agosto de 2017

REVISTA LETRAS & LETRAS (UFU)
Tema: O PIROTÉCNICO MURILO RUBIÃO
Organizadoras: Adelaide Caramuru Cezar (UEL), Maria João Simões (Un. Coimbra); Marisa Martins Gama-Khalil (UFU)
O dossiê proposto por esta edição da Letras & Letras pretende abrir espaços reflexão sobre a rica prosa literária de Murilo Rubião, autor mineiro que influenciou a obra de muitos escritores de seu tempo e que ainda continuar a ser base para a literatura fantástica contemporânea. Um dos maiores autores da literatura fantástica da América Latina, Julio Cortázar, foi leitor assíduo das obras de Murilo Rubião. O tradutor de várias de obras de Cortázar no Brasil, Remy Gorga Filho, relata: “Ele dizia que o mineiro Murilo Rubião foi o primeiro autor do fantástico latino-americano, antes mesmo dele, Cortázar” (apud SILVEIRA, 2012). O crítico brasileiro Antonio Candido assinala em “A nova narrativa” a importância de Murilo Rubião no cenário da literatura no Brasil, pois esse autor mineiro conseguiu elaborar contos insólitos em um momento estético “de predomínio do realismo social, propondo um caminho que poucos identificaram e só mais tarde outros seguiram” (CANDIDO, 2006, p. 252). A contínua reescrita marcou o método literário de Murilo Rubião, por isso não temos uma obra vasta em quantidade, contudo uma obra de altíssima qualidade estética. A imagem de pirotécnico advém de um dos seus contos - “O pirotécnico Zacarias” -, e com ela pretendemos evocar a ideia de uma obra explosiva, que destronou alguns paradigmas estéticos em seu tempo, iluminando novas perspectivas no campo da literatura fantástica. Nesse sentido, este dossiê acolherá trabalhos que demonstrem as muitas veredas insólitas e fantásticas que os contos rubianos encerram.
Os artigos deverão ser enviados impreterivelmente até o dia 31/08/2017.

Veredas: Revista da Associação Internacional de Lusitanistas
Dossiê da edição de nº 27 (jan./jun. 2017).
Tema: “Cultura e poder no Brasil hoje”.
Dossiê proposto por Sara Brandellero (Leiden University) e Derek Pardue (Aarhus University).
O prazo final para o envio de artigos para este dossiê é 30 de setembro de 2017.
Confira mais informações no site: https://goo.gl/Gx7pTA

Terra Roxa e Outras Terras
Volume 35 - "Feminismos e feminilidades na literatura brasileira”. A partir de diversas perspectivas teóricas e escolhas literárias, incentivamos análises temáticas dedicadas aos estudos da representação da mulher e de mulheres trans na literatura brasileira. A edição será organizada pelas professoras Suely Leite (UEL) e Luciana Borges (UFG).
O prazo para envio de artigos é até 15 de outubro de 2017.
Mais informações: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/terraroxa/announcement/view/190


Revista Itinerários
CHAMADA PARA O NÚMERO 46 - 2018
Dossiê temático : O GÓTICO E AS MULHERES

O gótico, gênero e modo ficcional do medo e do assustador que nasce como crítica à modernidade fundada pelo Iluminismo, sempre esteve atrelado às mulheres. Graças às obras de autoras como Clara Reeve, Ann Radcliffe, Jane Austen, Mary Shelley e as irmãs Brontë, o gótico sedimentou convenções temático-estruturais que ainda hoje o distinguem, popularizando-se no imaginário ocidental sob as mais diversas formas de linguagem. Em virtude de seu caráter contestador e transgressor, autoras fundamentais da literatura e ficção contemporâneas, como Emily Dickinson, Kate Chopin, Virginia Woolf, Angela Carter, Clarice Lispector e Alice Munro, por ele transitaram e a ele conferiram novos contornos ainda mais assustadores. Este dossiê temático da Revista Itinerários pretende acolher trabalhos que reflitam sobre as diversas relações entre o gótico e as mulheres, em quaisquer nacionalidades e períodos da história da literatura, da ficção e/ou das artes; sob quaisquer vieses teórico-críticos e com os mais variados enfoques (por exemplo, mas jamais se restringindo a apenas estes, o gótico de autoria feminina, as personagens femininas na literatura e ficção góticas, a relação dos autores homens com o gótico e as mulheres, a relação das mulheres com o gótico enquanto teoria e crítica da literatura, da arte, da ficção e da cultura, etc.).

CHAMADA PARA O NÚMERO 47- 2018
Dossiê temático: LITERATURA NEGRA NO BRASIL

A Literatura Negra Brasileira, também denominada Literatura Afro-brasileira ou Afrodescendente, apesar do visível espaço que vem ganhando no discurso acadêmico, ainda encontra restrições na abordagem historiográfica brasileira que não vê as especificidades dos discursos de cidadãos negros, como sujeitos de sua própria história, no âmbito do sistema literário nacional. O escritor negro experimenta a vivência em um país que legitima paradigmas estéticos, por meio de mecanismos que promovem a exclusão e a discriminação racial. Revisando e problematizando o conceito unívoco de identidade nacional construído a partir de padrões de uma elite empenhada na manutenção de valores brancos, essa vertente literária, nascida fora da África, mas que incorpora elementos culturais de origem africana, encena uma subjetividade individual e coletiva (um eu-enunciador que é nós) como espaço de resistência e enfrentamento. Mais do que a cor da pele ou as origens étnicas do escritor, a literatura negra ressignifica o conceito de identidade, a partir da diferença, buscando imprimir as marcas identitárias do sujeito étnico negro-brasileiro numa sociedade orientada por valores brancos. Esse dossiê temático receberá artigos que reflitam, a partir de múltiplos aportes teóricos e críticos, sobre a literatura negra brasileira em narrativa, drama e poesia, tais como: tradição, memória individual/coletiva, ancestralidade, identidades, o legado da diáspora, literatura feminina negra, o negro como objeto e sujeito na literatura, hibridismo cultural e outros.
Prazo de submissão: 30 de novembro de 2017.
Mais informações:  http://seer.fclar.unesp.br/itinerarios/index

Dossiê João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto Cabral se posicionou de modo ostensivo e negativo diante de uma tradição lírica fundada na subjetividade do poeta e criou uma das obras poéticas mais originais da língua portuguesa e que melhor e mais tensamente dialogam com essa tradição. Sempre o primeiro leitor dele mesmo, como todo grande criador, Cabral terminou estabelecendo o modo de a sua poesia ser lida. Esse modo de ler foi seguido por parte considerável da crítica e terminou por se transformar, pela força da repetição, em verdadeiros truísmos, os quais, se não são inexatos, não dão conta das tensões e contradições que estão na base da poesia do autor. A proposta deste dossiê é acolher trabalhos que proponham novas perspectivas de leitura para a poesia de Cabral, seja enfocando um aspecto específico dessa poesia, seja examinando-a em clave comparativa com outro/s poeta/s ou outras artes.
A Revista aceita também trabalhos sobre outros temas concernentes aos estudos de poesia para figurar na seção Vária.
Os artigos devem ser submetidos no próprio site da Texto Poético: http://revistatextopoetico.com.br/index.php/rtp
Prazo para envio: de 30 de setembro de 2017 a 30 de janeiro de 2018


Revista Outra travessia 
Dossiê –“Usos das artes”.
A chamada propõe a reflexão sobre as relações da arte e seus usos, a inserção da arte no mercado e a sua circulação, tocando as questões do valor, a autonomia, o trabalho e a propriedade, o sagrado e o profano.
Prazo para envio: 10 de setembro de 2017
Mais informações: outratravessia@gmail.com.

EM TESE

A TEORIA LITERÁRIA EM BALANÇO: REPENSANDO AS TENDÊNCIAS DOS SÉCULOS XX E XXI
Nos anos de 1910, um grupo heterogêneo de estudiosos russos encarou a Literatura como um objeto singular de pesquisa. Esses pensadores ficaram conhecidos pelo título genérico de Formalismo Russo. Ao longo dos novecentos, diversas tendências se posicionaram, como Estilística, New Criticism, Filologia, Estruturalismo, Estética da Recepção, Pós-Estruturalismo, Estudos Culturais, Crítica Liberal, entre outas, evidenciando a importância do raciocínio teórico e crítico para os Estudos Literários. Nos anos 2010, completando o primeiro centenário do movimento que se propôs refletir sobre a singularidade da literatura, compete-nos reavaliar cada um desses pensamentos novecentistas, muitos dos quais estão em discussão ainda hoje, apontar linhas de força dos movimentos, os modos de entrelaçamento ou confronto entre o discurso crítico e teórico, ou mesmo algumas questões mais específicas ligadas a pensadores que contribuíram para as marchas e contramarchas da Teoria Literária. Nesta edição, a revista Em Tese procura fomentar o debate sobre as tendências novecentistas de Teoria da Literatura, incluindo ponderações estéticas – de outras artes ou literárias – que dialogaram com os movimentos, e contemplando reflexões sobre o que eles foram ou sobre o que continua ressoando deles, no contemporâneo. Nosso convite é para que se pensem, ainda, com a distância que nos cabe, os usos e os desdobramentos das correntes teóricas e críticas surgidas no século XX, abarcando considerações sobre o modo como hoje a crítica e a teoria, ainda que com contornos outros e com diferentes modos de se envolverem, relacionam-se com a produção artística contemporânea.
Prazo para submissão: de 2 de agosto a 2 de novembro de 2017.
Mais informações: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/emtese/index


FronteiraZ

Edição 20: IMAGINAÇÃO, MEMÓRIA, FANTASMAS NA LITERATURA E NAS ARTES
O sentido estético, ético e político de resistência em variadas formas literárias e artísticas de presentificação de resíduos incomunicáveis. Memória, esquecimento e o (não) lugar do irrepresentável. Testemunho e o inenarrável. A Imaterialidade e o fantasmático na literatura, nas artes e na história. Perspectivas diversas sobre o sentido que os espectros-fantasmas assumem na modernidade. Formas narrativas e poéticas contemporâneas em fluxo e passagem. Categorias evanescentes no jogo da alteridade: o sujeito lírico dentro e fora de si; o narrador, o autor, o leitor.
Prazo para envio de artigos para submissão: até 20 de fevereiro de 2018.

Edição 21: POÉTICA DA ALTERIDADE
A enunciação literária como escritura da alteridade. O outro como produtor, leitor/receptor e como objeto da/na literatura. Transformações da inscrição do outro no percurso da história literária. O fenômeno da dicotomia eu/outro na criação literária. O jogo da alteridade na voz narrativa. Alteridade, identidade e autoridade: relações possíveis no universo do literário. Eu e Tu, nunca Ele: o embate da Outredade. Ética e alteridade. Alteridade e desejo. Epifania como revelação do outro em mim. Alteridade e transcendência.
Prazo para envio de artigos para submissão: até  20 de maio de 2018.

As seções de “Ensaios” e de “Resenhas” têm fluxo contínuo independentemente da temática em pauta para a seção de “Artigos”. Para mais detalhes, consultar as normas de edição em “Diretrizes para autores” no endereço:
http://revistas.pucsp.br/fronteiraz

CHAMADAS COM FLUXO CONTÍNUO
       
Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas
A revista aceita artigos inéditos, oriundos de pesquisas originais relacionadas especialmente à literatura. Também é aberta às mais diferentes abordagens teóricos-metodológicas. São recebidas resenhas críticas de livros de teoria, de crítica ou de literatura publicados nos últimos três anos, desde que relacionados ao escopo da revista.
Mais informações: http://ojs.lusitanistasail.org/index.php/Veredas/about/submissions#authorGuidelines

Garrafa
Chamada da Revista eletrônica Garrafa do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCL/UFRJ. A Revista é publicada online e dirigida a estudantes de pós-graduação em formação como pesquisadores.
A Garrafa recebe contribuições inéditas em português e espanhol: artigos acadêmicos, ensaios, resenhas críticas de dissertações, teses e livros, traduções inéditas e/ou originais e entrevistas. As contribuições serão publicadas após a avaliação favorável feita por até dois leitores anônimos. Os artigos deverão ser enviados em versão .doc ou .docx para o seguinte endereço eletrônico:
Mais informações: revistagarrafa@gmail.com                               

​Revista Literatura e Sociedade
A revista está aberta a propostas de publicação de artigos e ensaios nas áreas de teoria literária e literatura comparada.
As submissões devem ser enviadas para o email
revflt@usp.br. ​